Desde criança soube que aos meus 14 anos deixaria minha casa para morar fora.

A princípio iria para uma cidade próxima da minha, Recife, onde pudesse estar próximo de amigos de infância, tios, tias e primos. Mas conforme foi passando o tempo soube que iria para a cidade em que meu irmão estivesse morando, seja lá qual fosse (minha mãe sempre quis nos manter unidos). 

Logo chegou o dia de partir. Já estava decido que iria para São Paulo, onde meu irmão estava morando e fazendo sua faculdade. Não pude escolher outra cidade para morar e nem a escola em que estudaria, mas sempre confiei nos meus pais. Por isso independentemente da escola, eu sabia que eles escolheriam uma na qual eu me sentisse bem em primeiro lugar.

Ao chegar, fiquei meio acanhado ao entrar na sala, não conhecia ninguém. Tudo era novo para mim, pois estava acostumado a conhecer muitas pessoas e a falar com elas quando nos encontrávamos. E, de repente, estava em um lugar, onde não conhecia ninguém, não sabia a história de ninguém e, reciprocamente, ninguém sabia a minha.

No começo foi um pouco difícil o fato de não ter amigos aqui, mas, apesar de tudo, todos do Palmares me receberam bem, me "criaram" como se já fosse da família há muito tempo. Todos da turma me receberam bem. 

Hoje agradeço ao Colégio pelo que somou na minha vida, por todos que lá conheci e que estarão sempre comigo em minha memória, pelos que lá me deram "puxões de orelha”, mas que sempre estavam comigo quando a coisa apertava (e não foram poucas as vezes kkk), pelos amigos que fiz e que levarei para sempre. 

Gostaria de poder nomear cada um, mas se fizesse  isso, o texto ficaria muito grande. Portanto, agradeço ao Colégio Palmares e à Dona Zilda ( sem ela não teria acontecido nada disso. - não fiquem com ciúmes, os outros por tudo que me proporcionaram nesses meus 3 primeiros anos de muitos em São Paulo, foram ensinamentos que levarei para a vida toda.

Um abraço diretamente de Petrolina.

 

Arthur Gabriel Gomes